QUER VIVER SEM MEDO? A emoção é, na verdade, essencial para nos manter seguros, dizem novos estudos

PAVOR – Ponto de equilíbrio: é preciso ficar alerta às ameaças, mas não a ponto de abdicar de todas as experiências – //Shutterstock

Pupilas dilatadas, mãos suadas, sensação de frio na barriga. Essas são manifestações orgânicas típicas de medo — emoção que, apesar de rejeitada e associada à covardia, tem uma importância evolutiva que salvou nossa espécie da extinção. Trabalhos acadêmicos e um novo livro jogam agora luz sobre uma das mais sombrias reações humanas, suscitando debates entre cientistas. “Trata-se de um mecanismo de sobrevivência universal”, define a professora de psicologia Elizabeth Phelps, da Universidade de Nova York. Segundo a especialista, passamos boa parte da vida aprendendo a diferenciar o que representa ou não perigo. A psicóloga clínica Neuza Corassa, diretora do Centro de Psicologia Especializado em Medos, de Curitiba, afirma que o sentimento é, de fato, inerente à espécie humana, mas ressalta que cada indivíduo reage a sua maneira: “Alguns precisam de terapia para lidar com isso, outros, não. Na última década, aprendemos a respeitar os temores de cada um”.

Para além das fobias sociais, experimentos recentes comprovam que certas aversões nascem implantadas em nós, como um chip de computador, na forma de instinto. Tome-se, por exemplo, o pavor que muitas pessoas têm de aranhas e cobras. Um estudo conduzido pelas universidades de Leipzig, na Alemanha, e de Uppsala, na Suécia, chegou à conclusão de que até mesmo bebês apresentam uma reação de stress ao ver esses animais. Ou seja, mesmo sendo o primeiro contato, eles já sabem instintivamente o perigo que os bichos podem representar.

No livro The Nature of Fear: Survival Lessons from the Wild (A essência do medo: lições de sobrevivência da natureza, ainda sem edição brasileira), Daniel T. Blumstein, estudioso do comportamento animal, debruça-se sobre a história natural do medo, exemplificando, com casos da vida selvagem, como ele tem sido benéfico para todos os seres vivos, especialmente o homem. “É uma ferramenta que, acima de tudo, nos mantém seguros”, disse Blumstein a VEJA. “O mundo é um lugar perigoso, e cabe a nós lidarmos com esses riscos, já que eliminá-­los por completo é impossível.”

O medo tem papel fundamental na evolução humana, mas funciona melhor longe dos extremismos. O Homo sapiens, ao longo de milhares de anos, não teria escapado se partisse para cima de qualquer animal que encontrasse pela frente. E tampouco duraria se ficasse paralisado a ponto de não conseguir fugir quando necessário. O mesmo valeria no convívio com a própria espécie. Afinal, deixar o pavor atingir um nível debilitante poderia fazer com que um indivíduo se isolasse de seus pares, reduzindo sua capacidade de se proteger. Nenhum dos extremos permitiria que ele sobrevivesse por muito tempo.

Quando se fala em evolução, é preciso lembrar que a função biológica do ser vivo é justamente sobreviver, ao menos até se multiplicar, passando adiante as suas características por meio do DNA. No mundo animal, já foi comprovado que a habilidade de identificar as coisas a se temer é um traço que pode ser geneticamente herdado. Ou seja: o indivíduo perseverante passa a sua prole o recurso instintivo de discernir entre uma situação perigosa e uma situação normal — como contatou-se no experimento com os bebês. Assumindo que nem o exageradamente corajoso nem o excessivamente covarde teriam vivido o suficiente para gerar descendentes, conclui-se que nossos ancestrais foram aqueles que ficaram alertas em relação às ameaças, mas não a ponto de abdicar da vida. Nós seríamos, portanto, fruto desses indivíduos, medrosos apenas quando as situações, de fato, exigiam.

Graças ao componente social do ser humano, nosso rol de fobias costuma aumentar ao longo da vida. Um sintoma disso é que, em tempos de Covid-19, novos medos parecem aflorar de todos os lados. Na Austrália, relatos de avistamento de morcegos — primeiro animal relacionado à disseminação do novo coronavírus — cresceram de forma expressiva, não necessariamente porque mais morcegos começaram a aparecer, mas porque as pessoas passaram a enxergar nesse animal um perigo que antes não viam — temor que, por sinal, talvez nem se justifique. A história mostra que o pânico em algumas sociedades já levou várias espécies locais à extinção, causando danos irreparáveis ao meio ambiente.

Como então reagir adequadamente aos temores que, de um maneira ou de outra, estarão presentes na vida de todos? “Não há um número mágico quando o assunto é a medida certa do medo — tudo depende da circunstância”, responde Blumstein. “Se eu tivesse que deixar um recado para a sociedade sobre o tema, seria ligado à política: cuidado com o candidato que usa o medo para levá-los a votar nele. Se ele diz que é o único capaz de acabar com o risco, vote em outro. O risco não pode ser eliminado, só administrado.” Sábio conselho do escritor.

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

Deputado comemora avanço na legislação ambiental e de proteção à mulher

Com dois projetos de sua iniciativa aprovados na sessão plenária desta quarta-feira (21), o deputado Sandro Pimentel (PSOL) comemorou os avanços da legislação potiguar. Dois projetos aprovados hoje são de sua autoria: o que veda a nomeação para cargos em comissão no RN de pessoas condenadas pela Lei Maria da Penha e o outro que modifica a legislação ambiental.

“Minha comemoração não é só do ponto de vista quantitativo, é qualitativo também, em especial, essas duas leis têm um grau de importância gigantesco, do ponto de vista social e do ponto de vista do meio ambiente. Em relação à Lei Maria da Penha, não é de se conceber que uma pessoa que vá ocupar um cargo público, condenado pela lei, ainda tenha essa condição de seguir como recebedor de recursos públicos”, afirmou o deputado.

Cristiane Dantas enaltece projeto que cria Fundo de Amparo às mulheres vítimas de violência

A deputada Cristiane Dantas (SDD) destacou quarta-feira (21), durante sessão plenária da Assembleia Legislativa, o projeto de sua autoria para a criação do Fundo Estadual de Amparo às Mulheres Vítimas de Violência no Rio Grande do Norte. De acordo com a parlamentar, a iniciativa pretende viabilizar treinamentos às mulheres vítimas de violência, oferecendo capacitação, assistência e inserção no mercado de trabalho.

“Muitas mulheres se mantêm em relacionamentos abusivos por não terem perspectivas profissionais, por se verem financeiramente dependentes dos seus companheiros. A criação de um Fundo serve para que elas se desvinculem dessas relacões, sabendo que serão amparadas e poderão exercer uma profissão, conseguindo, assim, a independência que desejam e precisam”, justifica Cristiane.

Audiência pública na ALRN debate defesa dos animais para evitar câncer de mama

Com o objetivo conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do tratamento do câncer de mama em cadelas e gatas, e por iniciativa do deputado @sandropimentelpsol (PSOL), o Centro de Estudos e Debates da Assembleia Legislativa realizou na tarde de segunda-feira (19) de forma remota, uma audiência pública para discutir o tema, conforme estabelece a Lei 10.583/2019 que instituiu o Outubro Rosa Pet.

“Essa audiência é para mostrar a importância que deve ser dada à proteção animal. Com os devidos cuidados preventivos é possível evitar o câncer de mama que é um problema gravíssimo”, disse o deputado Sandro, na abertura dos trabalhos.

Deputada Eudiane Macedo apresenta projetos de lei voltados à cidadania

A deputada @eudianemacedorn (Republicanos) apresentou três novos projetos de lei na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. Nas propostas, a parlamentar foca na atenção à população transexual, no voluntariado e ao trabalho de jovens no Estado. Todas as propostas estão em tramitação no Parlamento.

A parlamentar quer instituir o Programa TransCidadania no Estado, destinado a promover os direitos humanos, o acesso à cidadania, e a qualificação e humanização do atendimento prestado às pessoas transgêneros, travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade social. Para Eudiane, é preciso que os estados brasileiros tenham normas que contribuam para o respeito e inclusão dessa parcela da população.

Damares defende cadeia imediata para Robinho

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu nesta segunda-feira (19) punição imediata ao jogador Robinho, condenado em primeira instância na Itália por violência sexual de grupo.

No Palácio do Planalto, onde participou de cerimônia presidencial, a ​ministra lembrou que ainda cabe recurso à decisão de 2017, mas salientou que, na opinião dela, os áudios da investigaçãorevelados pelo site ge.globo na semana passada, são claros sobre um envolvimento do jogador no episódio ocorrido em 2013.

“Cadeia, imediatamente. Eu não tenho outra palavra para falar. Ainda cabe recurso, mas o vazamento dos áudios, gente. Querem mais o quê? Cadeia. Nenhum estuprador pode ser aplaudido. O cara quer voltar para o campo para posar como herói?”, questionou.

A ministra parabenizou o Santos por ter suspendido o contrato com o jogador e ressaltou que não devem ser feitas concessões a pessoas condenadas por crime de violência sexual. Segundo ela, o cumprimento da pena deve ser imediato.

FOLHAPRESS

Uma verdadeira obra de arte em forma de restaurante localizada no sertão do seridó. O restaurante Copo de Ouro de Seu Inácio é a atração de Ipueira no RN.

Tudo Começou em 1987, em Ipueira, a priori uma marcenaria. Mesmo Inácio não tendo experiência como marceneiro, ao lado do seu Pai, sempre com o desejo de ser seu próprio patrão, iniciaram os trabalhos adquirindo conhecimento com as demandas que iam chegando.

Com um tempo, Inácio já residindo em Ipueira, abriu uma loja de móveis, todos projetados e alinhados por ele. Mas por a cidade ser pequena, as vendas não foram tantas. Por vezes pensou em desistir, mas o trabalho em família, sempre ao lado de seus pais e irmãos, lhe davam uma esperança. Sua mãe uma excelente padeira, começou a vender pães e bolos na marcenaria, e como as vendas foram boas, surgiu a ideia de agregar a lanchonete a marcenaria, e logo foi aumentando o espaço. De lanchonete virou bar, o famoso Copo de Ouro.

Detalhes por detalhes foi criado por Inácio, é deveras um verdadeiro cenário de arte em madeiras. Tudo criado com muito bom gosto, pensado com muito detalhes. Da porta de entrada a cadeira e mesas, da bandeja de servir os tira gosto a parede preenchida com uma linda bandeira do Brasil esculpida, tudo criado e bem elaborado por ele. É algo lindo de ver. Restaurante escondido em uma cidade seridoense que não fica atrás de nenhum belo restaurante da capital do RN, tenho certeza até que em Natal seria um grande estourou e eu sem dúvidas frequentaria bastante.

No bar, servem bebidas quentes e gelada, e uma variedade de porções como: rubacão, picanha na chapa, frango, calabresa, caldos, e o carro chefe da casa; peixe frito e macaxeira frita. Vale à pena parar e apreciar as delícias feitas por Inácio e a sua Bibi (esposa).

Sucesso pra vocês, Inácio e Bibi. A sua história prova que quando queremos algo, por mais conflituoso que seja o tempo da conquista, a perseverança é o combustível da coisa. Já, já estarei por aí de novo, e quero comer um delicioso rubacão com um peixinho frito.

Segue algumas imagens desse maravilhoso restaurante:

Corretor falha, e mulher pede para piscineiro ser amante (e ele aceitou!)

Os internautas ficaram empolgados com um tuíte sobre uma situação bem embaraçosa que viralizou neste final de semana. O corretor ortográfico pregou uma peça na mãe da jovem Manuella, de Florianópolis.

Ao combinar uma limpeza da piscina, sem querer ela o convidou para ser seu amante. E o piscineiro topou!

Manuella conta à coluna que a situação foi real. “À medida que o tuíte foi ganhando visibilidade, começaram a me pergunta se era fic [ficção], mas aconteceu sim. Foi bem natural: estava no carro com a minha mãe e ela me mostrou a conversa rindo, eu achei engraçado e tuitei para os meus amigos e do nada o celular começou a apitar sem parar”

A jovem comentou com sua mãe sobre a repercussão da história antes que chegasse até ela por meio de algum amigo. O piscineiro é solteiro, e ele e a mãe são amigos. “Foi muito legal ver o pessoal curioso com o desfecho da história. Minha mãe levou na brincadeira e comentou só um ‘kkk'”

A autora do tuíte conta que jamais imaginou essa repercussão toda. “Postei como qualquer outro tuíte meu com o intuito de alcançar minha rede de amigos. Do nada as notificações começaram a pipocar no celular e eu tive que mutar [silenciar as notificações]. Recebi mensagem de professores, amigos e até parentes de outros estados me encaminhando o post. Vi pessoas que que eu sigo colocando nos stories sem imaginar que era eu ali.”

Uol

FOTO: Guarda-vidas resgatam adolescentes arrastados pelo mar na praia de Pipa

Guarda-vidas do Corpo de Bombeiros Militar do RN resgataram, na tarde desse domingo (18), dois jovens que foram arrastados pela correnteza no mar da Praia de Pipa, litoral sul potiguar.

Foi por volta das 12h30 que os bombeiros militares visualizaram um grupo de pessoas em uma área perigosa e com arrecifes. A princípio, a guarnição foi orientar e advertir os banhistas, todavia, ao chegar no local, eles mergulharam na água e fizeram o trabalho de resgate.

Sem complicações, os dois garotos foram atendidos e liberados pelos bombeiros.

Bruna Marquezine se lança como youtuber e em minutos ganha milhares de inscritos

Bruna Marquezine (Foto: Reprodução/Instagram)

Bruna Marquezine anunciou que se lançará como youtuber em seu Instagram. A atriz adiantou a novidade para os fãs e colocou o link do canal, que em poucos minutos ganhou mais de três mil seguidores. Nesta segunda-feira(19) já registrava 23,3 mil inscritos.

“Ela é youtuber! O backstage do MTV MIAW 2020 foi a deixa pra colocar em prática o desejo de criar um canal onde eu pudesse dividir o behind the scenes de todos os meus projetos artísticos e pessoais com vocês. Pra ver o vídeo completo, cheios de emoções, lookinhos e primeiras vezes, se inscreve no meu canal (é assim que se faz né?!) e vem de biscoito e engajamento que solto o vídeo na íntegra amanhã!”, disse ela.

A atriz está passando uns dias no Ceará onde mostrou seu lado radical ao pilotar um quadriciclo pelas ruas locais.

Globo, via Quem

“Há sinais de vida fora de terra”, diz astrofísica portuguesa que descobriu indicativo de seres em Vênus

Foto: Arquivo pessoal

Nós, humanos, estamos sozinhos no universo? Esse questionamento de cunho científico e filosófico sempre me fascinou. A curiosidade me fez seguir a carreira de astrofísica e me tornei uma caçadora de moléculas que indiquem a presença de vida em outros planetas. Há uma década, decidi derramar atenção sobre um composto específico, a fosfina. Aqui na Terra, trata-se de um gás incolor, malcheiroso e extremamente tóxico, que resulta da decomposição de matéria orgânica. É, portanto, um marcador importante de vida, que se manifestaria na forma de bactérias. Descobrir que a substância estava lá, na atmosfera de Vênus, um planeta vizinho, me deixou em estado de choque. A ciência é assim: você pode passar uma existência cavucando um ponto e de lá não sair nada. Neste tempo em que me dediquei à hipótese de vida em Vênus, o assunto era visto com desdém pela comunidade acadêmica. Dei palestras e escrevi artigos sobre o tema, mas não despertavam interesse. Ganhei até um apelido: Doutora Fosfina. Era um trabalho árduo e solitário cujo sucesso, para ser sincera, achava improvável.

Tudo mudou há um ano, quando fui procurada pela astrônoma Jane Greaves, da Universidade de Cardiff, no Reino Unido. Recebi um e-mail em que ela dizia: “Clara, você é expert em fosfina e acabei de achar essa molécula em Vênus. Isso é estranho, certo?”. Respondi imediatamente: “Você tem certeza? É uma loucura. Se estiver certa, será fantástico, mas deve haver algum erro”. Esse foi o início de uma força-tarefa que envolveu cientistas dos Estados Unidos, do Reino Unido e do Japão. Convivemos meses com a angústia de uma dúvida crucial: se há de fato fosfina em Vênus, seria este um sinal inequívoco de vida? Tratamos a hipótese com ceticismo e colocamos novas hipóteses à mesa. Será que fora um raio cósmico que interagiu com a atmos­fera de Vênus? Ou algum evento desencadeado pelo Sol? Avançamos e comprovamos que era mesmo fosfina. E assim o estudo foi publicado na revista Nature Astronomy.

Humanos são excessivamente antropocêntricos. Entendemos a vida como algo que tenha de ter relação conosco. Mas não há razão para o universo somente criar existências que nos pareçam agradáveis. Em nosso próprio planeta, há seres que produzem gases tóxicos, como os que habitam as profundezas abissais dos oceanos. Quero que a comunidade científica pense além das formas de vida que enxergamos como ideais. Afinal, a possibilidade de esbarrarmos com alienígenas que cheirem bem é quase zero. Terra e Vênus têm características em comum — em certos pontos, a temperatura lá é de 30 graus, muito semelhante ao verão no Brasil (embora na maior parte do planeta atinja os 400 graus). As atmos­feras, porém, são completamente distintas. Se confirmarmos a existência de vida nesses dois astros tão diversos, a hipótese de ela ser plausível em outros cantos da galáxia, onde orbitam bilhões de planetas, não é pequena. Ao contrário, parece inevitável.

Em nome do rigor científico, faremos ainda uma vasta investigação até cravar que aquele sinal encontrado em Vênus é, concretamente, vida. Também temos de observar se existem outras moléculas por lá. As tais bactérias, se confirmadas, fazem parte de um ecossistema, que produz demais compostos químicos. Empreender essa busca a distância, com telescópios, é missão complicada. Nosso grupo elaborou uma lista com mais de 16 000 moléculas que podem indicar vida fora da Terra. Fiz um cálculo que dá a dimensão do desafio: se investir o mesmo tempo que empreguei no caso da fosfina para investigar todas elas, gastaria 62 000 anos apenas com Vênus. Mas não estou mais sozinha. Há um monte de gente por aí na mesma aventura. A jornada está no princípio, mas tenho certeza de que abrimos uma porta para a humanidade dar um salto no saber e se colocar em perspectiva na imensidão do universo.

Depoimento dado a Ernesto Neves

Veja

SINE-RN tem 116 vagas de empregos nesta segunda-feira para Natal e Região Metropolitana

Foto: Ilustrativa

A Subsecretaria do Trabalho da Sethas-RN, através do SINE-RN, oferece nesta segunda-feira(19) 116 vagas de emprego para Natal e Região Metropolitana.

Para concorrer às vagas, o(a) candidato(a) deve se cadastrar via Internet no Portal Emprega Brasil do Ministério do Trabalho e Emprego, através do endereço empregabrasil.mte.gov.brou nos aplicativos Sine Fácil e Carteira de Trabalho Digital, disponíveis para Android e IOS.

Neste momento, devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o Sine-RN está com atendimento presencial realizado mediante agendamento.

Em Natal, os telefones para agendamento da unidade matriz, em Candelária, são: (84) 3190-07833190-078898106-6367 e 98107-4226.

Os agendamentos e atendimentos acontecem de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h.

VEJA AS OFERTAS DE VAGAS DE EMPREGO POR OCUPAÇÃO:

ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS 01

AUXILIAR ADMINISTRATIVO 10

AUXILIAR DE LOGISTICA 15

AUXILIAR DE MECÂNICO DE AUTOS 01

CABELEIREIRO 03

CHURRASQUEIRO 01

COMPRADOR 01

ELETRICISTA BOBINADOR 01

ELETRICISTA DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 05

ENCANADOR INDUSTRIAL 05

GERENTE DE DEPÓSITO 06

MANICURE 05

MECÂNICO DE AUTO EM GERAL 01

MECÂNICO DE MÁQUINAS PESADAS (MANUTENÇÃO) 01

TOSADOR DE ANIMAIS DOMÉSTICOS

VENDEDOR INTERNO 59

Mulher atacada a socos na Bahia relata que ex dizia ‘não se lembrar’ de agressões; homem segue foragido


Foto: reprodução/Instagram

A mulher agredida por um homem com vários socos, em Ilhéus, no sul da Bahia, falou pela primeira vez sobre o ocorrido. A agressão foi gravada em vídeo e as imagens circulam pela internet. Em um post em uma rede social, Franciele Azevedo, de 26 anos, contou que vivia um relacionamento abusivo com Carlos Samuel Freitas e que sofreu várias agressões dele.

O homem, que tem 33 anos, teve a prisão preventiva decretada e é considerado foragido. A polícia segue com as buscas. O G1 tentou falar com o suspeito por meio de mensagem de celular, na manhã deste sábado (17), mas ele não respondeu.

“Me chamo Franciele Azevedo o vídeo que está circulando, onde apareço sendo agredida sou eu. Portanto demorei para me posicionar pelo fato, que sempre achava ele iria mudar onde permaneci por um tempo no relacionamento abusivo, pois o mesmo depois de todas as vezes que me agredia me pedia desculpas e falava que não lembrava o que tinha feito e nem o porque tinha feito e no final a culpa era sempre minha”, desabafou a vítima em um post feito na noite de sexta-feira (16).

Ainda na publicação, Franciele relatou que a dificuldade quem tem para falar sobre as agressões, que deixaram dores físicas e emocionais também.

“Não é fácil para mim vim aqui falar sobre esse assunto onde várias pessoas me julgam, como se eu merecesse e sempre me culpando pelas as agressões, minha única culpa foi pensar que um dia ele mudaria, mas n mudou. Onde sofri pressões psicológicas, sigo hoje cheio de problemas e dores que essas agressões me causaram”, disse.

Franciele conversou com o G1 e contou que vivia em um relacionamento abusivo. Ela disse que conheceu Carlos Samuel pela redes sociais, no final do mês de março deste ano. Segundo Franciele, no início do relacionamento, o homem não tinha comportamento agressivo. “No início ele não era assim. Com passar do tempo, ele mostrou quem era ele”, disse.

A vítima contou que muitas vezes as agressões aconteceram por ciúme, mas que em outras bastava ela falar algo que o suspeito não gostasse para a situação se repetir.

“A gente foi a uma farra na casa de um amigo dele. No momento, ele estava usando meu celular, e eu esperando um celular, pois o dele queimou. Ele fala que eu que quebrei o celular dele, isso é mentira. Vi umas coisas no celular e peguei o celular. Ele veio com toda força, tomou celular que era meu da minha mão, me engarguelou e tentou me dar um soco, mas não pegou”, relatou Franciele aoG1.

A jovem disse, ainda, que tentou pedir ajuda após a agressão, mas o ex-namorado a impediu. “Nesse dia, eu liguei para minha prima para ela me pegar lá porque ele tinha feito isso, liguei chorando. Ele não deixou eu ir, pediu desculpa, disse que ele não era assim. Como foi a primeira vez, achei que não ia acontecer mais”, disse.

Fraciele contou o que aconteceu no dia da agressão que foi gravada em vídeo. Ela relatou que tinha ido a uma festa com Carlos Samuel e que as agressões começaram quando os dois deixaram o local a pedido dela, pois ele já havia bebido bastante.

“Com passar do tempo, a gente foi para outra farra, que foi no dia desse vídeo que está rolando. Ele já estava bêbado, eu chamei ele para ir pra casa. Ele disse que eu não ia, eu falei que iria só”, lembrou.

Carlos acabou saindo da festa com Franciele. Os dois estavam em uma moto pilotada por ele e, quando a mulher se preparava para descer da motocicleta, houve a primeira agressão. A situação aconteceu no dia 20 de junho.

“Fui para descer da moto. Como eu estava com capacete no meu braço, quando fui descer da moto, peguei nele fixo. Ele foi e me deu um soco, eu caí da moto. Eu saí andando, pedindo para ele me deixar em paz, que eu não queria mais [o relacionamento], que eu não ia com ele. Como todos podem ver no vídeo, ele fez novamente e me deu vários socos”, relatou.

Franciele contou que sempre que em 6 meses de namoro foi agredida mais de 5 vezes. “Eu, infelizmente, gostava muito dele. Acreditei novamente nele, nos pedidos de desculpas. Teve várias outras [agressões] que, como eu estava sem celular, não pude tirar fotos, mas quando tinha oportunidade eu tirava”, disse.

G1

Mulher é detida por ataques racistas em agência na PB: ‘Odeio a raça negra’

Uma mulher foi conduzida para a Central de Polícia de João Pessoa (PB) na tarde de hoje após fazer declarações racistas em uma agência bancária da cidade.

Mesmo sendo alertada que estava sendo filmada, e com a presença de policiais, a mulher não se intimidou e continuou a gritar ofensas racistas. Em seguida, ela foi encaminhada para a delegacia.

“Sou a maior racista do planeta Terra”, “odeio a raça negra” e “vocês são bandidos, ladrões” foram algumas das ofensas ditas pela mulher que se identificou como sendo Luzia Sandra de Medeiros.

Enquanto é filmada e observada por dezenas de pessoas, a mulher continua a gritar e se declarar racista. Em determinado momento, ela diz “pode filmar”, e começa a falar olhando para a câmera de quem filma com o celular.

A reportagem do UOL tentou contato com a Polícia Civil para saber qual será o encaminhamento do caso, mas não obteve retorno.

A assessoria da Polícia Militar informou que consta no boletim que “uma viatura fazia rondas na orla da capital paraibana quando foi chamada por pessoas que estavam na agência do Banco do Brasil, onde uma mulher de 47 anos estava ‘totalmente descontrolada querendo agredir todos que estavam no local e agredindo verbalmente pessoas com palavras de injúria e racismo’.

Uol.

Comissão de Educação da ALRN aprova projeto para família acolhedora no RN

A Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa se reuniu de nesta quarta-feira (14) para apreciação de matérias de interesse da população. Um dos Projetos de Lei, aprovados a unanimidade foi o de Nº 201/2019, de autoria do deputado @kleberrodrigues (PL), que dispõe sobre a instituição do serviço de família acolhedora no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

“Esse é um projeto de lei que vai proteger aquelas crianças que, por inúmeros motivos, estão sob os cuidados do Estado e da Justiça”, resumiu o autor do projeto. 💬

Pedreiro que matou uma pessoa em Copacabana ao arremessar um botijão de gás pela janela já agrediu a mulher e tem acusação de porte de drogas

Venilson da Silva Souza Foto: Reprodução/TV Globo

O pedreiro Venilson da Silva Souza, que matou uma pessoa em Copacabana ao arremessar um botijão de gás pela janela, já tem em sua ficha criminal acusações por agredir a mulher e por porte de drogas.

Segundo registro feito na Delegacia de Atendimento à Mulher de Duque de Caxias (RJ), a agressão ocorreu em 31 de janeiro de 2019.

A mulher do pedreiro afirmou em depoimento que Venilson tentou enforcá-la com as mãos e só a largou quando os filhos do casal, de dois e seis anos, começaram a gritar.

A mulher contou ter saído para a rua, onde novamente o pedreiro tentou enforcá-la. A agressão só parou após a intervenção de pessoas que passavam.

A mulher afirmou ainda que não havia sido a primeira agressão e pediu medidas protetivas contra o marido.

Outro registro, de novembro de 2019, relata que Venilson foi abordado por um policial por portar um cigarro de maconha na Pedra do Arpoador, em Ipanema, Zona Sul do Rio.

De acordo com o relato policial, Venilson disse não ter documento e agrediu o policial, até ser contido e levado para a delegacia.

Na última segunda-feira, Venilson matou um vendedor de frutas conhecido como “Tronco”, ao jogar um botijão de gás pela janelo do apartamento em que morava, em Copacabana. A irmã do pedreiro afirma que ele estava em tratamento psicológico.

Guilherme Amado – Época

Caixa reduz juros imobiliários e dá 6 meses de carência a compradores

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quarta-feira (14) uma redução das taxas de juros para o financiamento imobiliário e comunicou que vai manter a carência de pagamento por seis meses para quem adquirir a casa própria até o final de 2020.

De acordo com o presidente do banco estatal, Pedro Guimarães, a taxa de juros praticada para os financiamentos firmados após a quinta-feira da semana que vem (22) será entre TR + 6,25% ao ano e TR + 8% ao ano. A taxa mínima é 2,5 pontos percentuais inferior à praticada em dezembro de 2018.

Com a alteração, um financiamento de R$ 200 mil em 36 meses terá uma parcela inicial de R$ 1.568,52, valor 25% inferior ao cobrado ao final de 2018 (R$ 1.958,48).

A Caixa estima conceder mais de R$ 14 bilhões em crédito imobiliário com o uso de recursos da poupança (SBPE) até o fim deste ano com a nova redução das tarifas.

Carência

Guimarães também anunciou que os contratos firmados com Caixa para a compra do imóvel até o dia 30 de dezembro serão isentos do pagamento por seis meses. O período é o mesmo que tiveram direito os proprietários de imóvel desde o início da pandemia do novo coronavírus.

“Isso é muito importante porque ainda estamos com os efeitos da pandemia. Apesar de o preço dos imóveis já estarem se recuperando, nós estendemos que há um espaço para a população continuar comprando e ter esses seis meses de carência”, afirmou o presidente da Caixa.

No período, o comprador pagará apenas seguros e a taxa de administração do contrato. De acordo com o banco estatal, a medida deve beneficiar 30 mil clientes até o final deste ano.

Para aqueles com o contrato imobiliário ainda vigente, a Caixa anunciou a possibilidade do pagamento de 75% ou 50% das prestações nos próximos meses. “Se você tem uma prestação de R$ 2.000, você pode pagar R$ 1.500 por seis meses. Ou pode ter uma redução ainda maior e pagar metade do valor [R$ 1.000] por três meses”, disse Guimarães.

R7

Menina de 8 anos morre após ser obrigada a pular em cama elástica por horas, sem água, sem comida e sob forte calor

Foto: Ilustrativa/Getty Images

Uma menina de 8 anos morreu no Texas, Estados Unidos, depois de ter sido forçada a pular em uma cama elástica por horas, segundo reportagem do tabloide britânico Daily Mirror. Daniel Schwarz, 44, e Ashley Schwarz, 34, foram presos na segunda-feira (12) acusados pela morte de Jaylin.

Daniel e Ashley não eram pais biológicos de Jaylin, mas seus guardiões legais. Segundo a polícia local, eles forçaram a menina a pular na cama elástica por horas, sem comida e sem água em um calor de 43ºC, como espécie de castigo.

Foto: reprodução

“A investigação revelou que a menina de 8 anos de idade tinha sido castigada, não pôde tomar café da manhã e foi obrigada a pular na cama elástica sem parar por um extenso período de tempo”, declarou a polícia da cidade de Odessa em um comunicado oficial.

A autópsia divulgada nesta semana apontou que Jaylin morreu de desidratação e a polícia classificou a sua morte como homicídio.

Com informações de Extra e GQ

Vereadora Nina Souza sofre mais uma vez a ataques de táxistas

Não é de hoje que a vereadora Nina Souza (PDT) vem sofrendo ameaças dos taxistas. Desde quando a vereadora arregaçou as mangas em defesa dos motoristas de aplicativos, que a mesma vem sofrendo retaliação dos motoristas de carros de praça.

Nesta segunda-feira (12), feriado do dia das crianças, junto a sua equipe estiveram em Ponta Negra em um bandeiraço, quando se deslocando para a Praia do Meio, um taxista tentou atropelar o filho da vereadora e mais duas pessoas da sua militância.

Nina lutou incansavelmente para que os motoristas por aplicativos tivessem uma regulamentação justa, e conseguiu! Autora do substitutivo ao projeto protocolado inicialmente pelo então vereador Sandro Pimentel (Psol), atualmente deputado estadual. Projeto de Lei nº 103/2016. Hoje, Natal tem a melhor Lei de regulamentação do País.

Ministra da Agricultura vai a Portugal defender o tratado Mercosul-União Europeia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Com a tarefa de reverter o crescente mau humor europeu contra o acordo Mercosul-União Europeia, a ministra da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina, se reuniu nesta segunda (12) em Lisboa com o governo português, que assume no próximo semestre a presidência rotativa do bloco europeu.

Apesar das dificuldades causadas pela ressurgência da pandemia de Covid-19 na Europa, Tereza Cristina afirmou que quis viajar para essa reunião, já agendada, porque “era importante ter essa conversa antes que eles assumissem a presidência do conselho”.

Por ser o próximo presidente da UE, Portugal já participa de decisões ao lado da atual presidente do bloco, a chanceler alemã, Angela Merkel.

Na presidência, o país ibérico não terá poder de influenciar a ratificação, mas pode pressionar para que a tramitação do tratado seja agilizada.

Segundo a ministra brasileira, o governo português “se colocou de maneira inequívoca a favor de que ele seja sancionado”.

“Eles deixaram muito claro que o apoio é importante politicamente e que ele é muito mais avançado que os outros que a UE já assinou no capítulo socioambiental, muito mais moderno”, afirmou a ministra brasileira, depois de reunião com a ministra da Agricultura portuguesa, Maria do Céu Antunes, e o secretário de Internacionalização, Eurico Brilhante Dias.

Comunicado distribuído pela assessoria de Maria do Céu depois da reunião afirma que “Portugal apoia desde o primeiro momento o acordo União Europeia-Mercosul e aguarda que este seja concluído em breve”.

O acordo com o Mercosul vem sendo bombardeado por países como França, Áustria e Holanda e, na semana passada, recebeu desaprovação da maioria dos eurodeputados, em emenda que diz que o tratado não deve ser ratificado “como está”.

No começo do ano, a Comissão Europeia (Poder Executivo da UE, que negocia os tratados e os redige) previa que o tratado fosse ratificado ainda neste ano, mas a tramitação foi adiada pela pandemia de coronavírus e “congelada” após dificuldades políticas crescentes durante a gestão Jair Bolsonaro.

Entidades e políticos europeus acusam o governo brasileiro de não combater o desmatamento e dizem temer que a aprovação do acordo incentive setores agropecuários que destroem a floresta.

Iniciadas em 1999, as negociações entre os dois blocos foram concluídas no ano passado, e o texto está em fase de revisão legal. Depois disso, precisa ser traduzido para as 23 línguas oficiais das duas partes.

Para ser ratificado, precisa ser aprovado por unanimidade pelo Conselho Europeu (que reúne os líderes dos 27 membros da União Europeia), pela maioria do Parlamento Europeu e por parlamentos nacionais e regionais.

Tereza Cristina também se reuniu com empresários convidados pela Aicep, agência de exportação portuguesa, e disse que tomou a iniciativa de falar sobre a questão do desmatamento: “Temos que mostrar o que a gente faz, os números verdadeiros, nos posicionar. Mostrar o tamanho do Brasil”.

Na semana passada, ela já havia defendido o agronegócio brasileiro em um texto distribuído pela Embaixada do Brasil em Londres. A ministra afirma em seu artigo que a produção de alimentos não é feita na Amazônia, mas no Centro-Oeste e no Sudeste.

O texto foi distribuído dias depois de companhias que atuam no Reino Unido terem pedido ao governo britânico que impedisse a importação de produtos que causam desmatamento, citando o Brasil como contra-exemplo.

Segundo Tereza Cristina, os empresários portugueses fizeram perguntas sobre a questão ambiental após sua palestra, mas estavam mais interessados em discutir a redução da burocracia na regulação de rótulos e a possibilidade de receber mão de obra brasileira especializada no corte de carnes.

O comércio agrícola entre Portugal e Brasil é pequeno, mas os portugueses esperam que o acordo entre Mercosul e União Europeia intensifique a venda de azeite e vinhos e investimentos recíprocos, afirmou a ministra.

Portugal também tem interesse em que o Brasil use seus portos como porta de entrada para a Europa de produtos como milho e outros alimentos.

FolhaPress