“Elite brasileira é selvagem demais para frequentar restaurantes”

Por Marcos Nogueira

Os barracos do Leblon e dos Jardins –os playgrounds dos ricos do Rio e de São Paulo, respectivamente– nos ensinaram algo importante no fim de semana que passou.

A lição: com ou sem pandemia, a elite brasileira é selvagem demais para frequentar restaurantes. Não tem o mínimo senso de comunidade. Esta é uma sociedade podre.

Ninguém tem razão nesses vexames –“barraco” é um eufemismo condescendente. Examinemos os personagens de cada episódio.

No Leblon, um indivíduo que se gaba de sair com duas mulheres ao mesmo tempo desfila com a dupla, num carro conversível, na rua Dias Ferreira. Claramente uma atitude de playboy microcéfalo.

No vídeo que circula nas redes sociais, não aparece nenhuma cena de filme pornô ou algo assim. Apenas uma mulher de biquíni –que a paisagem carioca incorpora até ao metrô e à padaria– empoleirada na traseira do carro.

Tem também uma música alta que parece vir do Peugeot do gostosão do Leblon. Uma cena explícita de exibicionismo e incivilidade. Eu ficaria com raiva se estivesse na calçada. Incomoda. Dá ódio. Já falei que irrita?

Mas o que se pode fazer a respeito? Chamar a polícia não adiantaria. O jeito era esperar uns minutinhos até o Trio Los Angeles sumir do campo de visão.

Só que surge uma cliente do restaurante Togu, indignada em demasia com a perturbação da ordem e do sossego. Ela passou a atirar tralhas nas pessoas do conversível. A vítima se converteu em agressora e –veja só as reviravoltas da trama– e depois em agredida, pois levou um tabefe da garota que atacava.

Galopando por entre as mesas na calçada, aparece um figurante com ganas de roubar o show: um rapaz valente, que aborda o trio para arrancar a parte de cima do biquíni da moça pugilista.

A mulher de bem que atacou os exibicionistas cometeu um lindíssimo ato falho no vídeo que gravou para justificar a agressão. Ela diz: “Infelizmente, nós vivemos numa sociedade.”

Só gente fina no Leblon. Vamos aos Jardins.

No Gero, um dos restaurantes da grife de luxo Fasano, um cliente insiste em ser atendido apesar de ter chegado pouco antes das 22 horas, quando o fechamento é obrigatório pelas regras de exceção na pandemia.

O cliente não era um cliente qualquer –era sócio de outra rede de restaurantes de luxo, o Rubayiat– e não arreda pé. Diz que vai chamar “o meu delegado” para resolver o impasse.

Já na rua, começa a bater boca com outros indivíduos de sua casta. A conversa, ainda que exaltada, se arvora em argumentos como “eu tenho berço” e “educação europeia”.

Completa o quadro o elenco de apoio dos dois episódios, formado pelos frequentadores de ambos os restaurantes, com celulares em punho para registrar o forrobodó e comentários do nível de “piranha!” e “não tem berço não”. Máscaras se veem somente nos garçons do Gero.

Ninguém se salva no incêndio do parquinho.

FOLHAPRESS

Egresso de Medicina da Uern é um dos vencedores de prêmio nacional de inovação em saúde

Foto: Divulgação

O egresso do curso de Medicina da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) Diego Ariel foi um dos 11 vencedores do prêmio Euro Inovação na Saúde, promovido por uma empresa farmacêutica multinacional. O ortopedista desenvolveu um projeto de uma mesa de tração ortopédica, um dispositivo portátil e de baixo custo que auxilia em vários procedimentos ortopédicos e traumatológicos.

Foram mais de 1.600 projetos inscritos na fase inicial. O egresso da Uern ficou entre os 11 vencedores na final, cujo resultado foi divulgado no último dia 24.

O grande vencedor, o médico cearense Edmar Maciel, recebeu um prêmio de 500 mil euros pelo projeto “A pele de tilápia: um novo biomaterial para tratamento de queimaduras, feridas, cirurgias ginecológicas e medicina regenerativa”. Os outros 10 finalistas foram premiados com 50 mil euros cada.

“Como egresso da Uern, fico bastante feliz em saber que mesmo com poucos recursos, a Universidade consegue formar bons profissionais e que, mesmo sem os insumos de universidades maiores, ainda conseguimos nos destacarmos na ciência nacional”, reconheceu o ortopedista.

As mesas de tração ortopédicas são usadas em diversos procedimentos cirúrgicos. No projeto, Diego Ariel criou um modelo de baixo custo, de fácil de transporte e manipulação e que facilita o ensino de técnicas operatórias que necessitem de tal dispositivo.

Contra racismo, Grupo Boticário extingue “Black Friday”, diz CEO

Foto: (O Boticário/Divulgação)

Na manhã desta terça-feira, 29, o presidente do Grupo Boticário Artur Grynbaum publicou no LinkedIn o adeus da companhia ao termo “Black Friday“. Após dezenas de empresas se pronunciarem antirracistas por meio de compromissos como destinação de verba para programas sociais ou contratação ativa de negros, o Boticário busca chamar a atenção do mercado sobre a origem do termo “Black Friday” e pensar em novas possibilidades.

A dois meses da “Black Friday” – um dos períodos mais relevantes do ano para o varejo e a data mais importante para o comércio eletrônico em todo o mundo, nos deparamos com um incômodo recorrente: há anos conversamos sobre a possível origem do termo “Black Friday”, sobre a ausência de dados científicos que comprovem que ele realmente não se relaciona à questão da escravatura. Então, respeitando os movimentos que sentem desconforto com o termo, decidimos parar de refletir e começar a agir – não teremos mais o termo Black Friday no Grupo Boticário.

Na publicação, o executivo comenta ainda os compromissos da companhia com a promoção da diversidade e da inclusão, com práticas desde 2013 para a equidade de gênero, LGBTQIA+, pessoas com deficiência, pessoas de diferentes gerações e raça. Para as iniciativas de equidade étnico-racial, por exemplo, há grupo de afinidade ‘Além da Pele’ e o apoio de especialistas.

O período de descontos continuará existindo em 2020, mas com um novo nome para a ocasião: Beauty Week. Grynbaum diz contar com outros executivos do país para outras mudanças. “Convido aqui minhas e meus colegas, lideranças empresariais em todo o país para se juntarem a nós e repensarem suas Black Fridays, batizando-as com outros nomes, que façam sentido para cada empresa e setor. Afinal, não estamos falando “só” de uma mudança no termo: está em pauta aqui o caminho para alcançarmos o sucesso responsável e dar mais uma contribuição para uma nova perspectiva de raça na sociedade, com senso de urgência e coragem”.

Exame

‘Primeira-dama do tráfico’: Mulher de Nem da Rocinha tem pena reduzida pela metade e pode pedir soltura

A defesa de Danúbia Rangel, mulher do traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, conseguiu redução de pena de 17 anos e quatro meses de prisão para oito anos, dois meses e 20 dias. Agora, os advogados pretendem entrar com um pedido de liberdade condicional para a apelidada “primeira-dama do tráfico” à Vara de Execuções Penais.

Segundo um dos advogados, Marcos Freitas, a decisão é do Superior Tribunal de Justiça e ocorreu após a defesa impetrar um habeas corpus com base em outra decisão do tribunal que beneficiava o traficante Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que também conseguiu redução de pena.

A mulher de Nem está presa desde outubro de 2017. Ela já havia ficado presa preventivamente em outros dois períodos. Ao todo, Danúbia já cumpriu quase cinco anos prisão e segundo a defesa, esses períodos já podem contar como tempo necessário para concessão da liberdade. A defesa aguarda informações sobre uma falta grave de comportamento que ela teria cometido na prisão para decidir se entra ou não com o pedido de liberdade.

Uol.

Mulher morta na frente dos filhos encorajava vizinha a se separar do atirador

Suspeito cometeu suicídio depois de atirar na ex-companheira e na vizinha dela, em Salto (SP). Ex-esposa do atirador foi socorrida em estado grave.

A mulher que foi morta na frente dos dois filhos, de 2 e 4 anos, pelo ex-marido da vizinha, em Salto (SP), encorajava a colega a se separar do atirador, segundo testemunhas informaram à TV TEM. Após atirar na ex-companheira e na vizinha dela, o suspeito de 45 anos cometeu suicídio.

De acordo com informações da Polícia Militar e testemunhas, Claudemir Pereira, de 45 anos, bateu e abordou o carro onde estava Ângela Muczinski, que era vizinha e amiga da ex-mulher dele.

Homem mata vizinha, atira em ex-mulher e comete suicídio em Salto 

Em seguida, Ângela saiu do veículo e foi baleada, no bairro da Estação. Devido aos ferimentos, ela não resistiu e morreu no local. Os dois filhos dela, de 2 e 4 anos, presenciaram o crime. Assustadas, as crianças foram para um restaurante do bairro.

Na sequência, o homem foi até um petshop no bairro Jardim Arco Íris e atirou contra a ex-mulher, Adriana Correia, que foi encaminhada em estado grave ao hospital. Um dos animais que estava no local também morreu.

Segundo testemunhas, o atirador e Adriana tinham se separado havia cerca de um mês e ele não teria aceitado o fim do relacionamento.

Conhecidos do casal afirmaram à TV TEM que no domingo (27) ele teria afirmado para a família que iria embora de Salto. No entanto, alugou um carro e cometeu os crimes com uma arma que tinha a numeração raspada.

G1

Rachel Sheherazade é contratada em menos de 24 horas após demissão do SBT

Rachel Sheherazade sorrindo, de lado, em um ambiente de parede verde

Rachel Sheherazade assinou com a nova casa poucas horas após ser dispensada pelo SBT

Dispensada pelo SBT um mês antes do fim de seu contrato, Rachel Sheherazade não ficou nem 24 horas desempregada e já assinou contrato com sua nova casa. A partir desta terça-feira (29), ela passa a integrar o time do Metrópoles, onde apresentará um programa de entrevistas e debates nas plataformas digitais do portal de notícias.

“Terei liberdade para escolher meus personagens e fazer as perguntas que me convierem”, afirmou a jornalista ao Notícias da TV. “Pretendo ouvir todos os lados. Não me importa se pensam semelhante a mim ou o contrário. Minha única condição para escolher um entrevistado é que ele pense! Que tenha algo para acrescentar ao debate.”

Emitir opinião foi o que tornou Sheherazade nacionalmente conhecida. Silvio Santos se encantou com o posicionamento da jornalista a respeito do carnaval paraibano, na época em que ainda trabalhava na TV Tambaú, afiliada do SBT na Paraíba, e a trouxe para São Paulo, colocando-a na bancada de seu principal telejornal, o SBT Brasil.

Quando chegou, ela tinha liberdade total para opinar. Mas aos poucos, o dono da emissora passou a sofrer pressão por parte de patrocinadores, que não concordavam com as falas da jornalista. Silvio a proibiu de falar o que pensa, reduziu seu espaço no ar e a demitiu.

Agora, no Metrópoles, a apresentadora recebeu carta branca para dizer o que pensa. Até mesmo para criticar aliados de seu novo patrão, o ex-senador Luiz Estevão, condenado a 31 anos de prisão por desviar verbas das obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo.

“Não me foi imposta qualquer censura. Pelo contrário, a CEO do Metrópoles [Lilian Tahan] me garantiu não haver qualquer ingerência do proprietário na linha editorial. Falou-me uma palavra que me encantou: ‘pluralidade'”, frisou.

Antes de ter confirmada a saída do SBT, Sheherazade teve o nome relacionado a possíveis reforços do jornalismo da Band, da CNN Brasil e até mesmo da rádio Jovem Pan, onde trabalhou por dois anos.

Na nova casa, ela se desprende do formato do tradicional jornalismo de bancada e fará uma transição para conquistar a web. “Sou uma jornalista. O veículo que utilizo para divulgar meu trabalho pode ser a web, a TV, o rádio, o jornal. Não importa”, afirmou.

“Sou apaixonada pela minha profissão e agora que deixei o SBT vejo um grande horizonte de oportunidades se abrindo para mim. Gosto de me sentir livre e há muito tempo não experimentava essa sensação. No jornalismo não há caminhos sem volta. Há novos caminhos, que te revelam outros dons e talentos e fazem você evoluir na profissão”, avaliou.

Notícias da TV.

Loira, Bruna Marquezine surge com biquíni de quase 1.200 reais e rebate haters: Estou maravilhosa

A cantora falou em um vídeo sobre os comentários negativos que recebe em sua redes sociais

A atriz falou em um vídeo sobre os comentários negativos que recebe em sua redes sociais

Bruna Marquezine está arrasando demais! A atriz chamou a atenção ao surgir em suas redes sociais no último sábado, dia 26, com uma peruca loira, biquíni cheio de cristais, luva rosa de látex e, de quebra, uma capa transparente.

O biquíni usado por Bruna é da marca britânica Oceanus e está a venda por 160 libras esterlinas, o equivalente a cerca de 1.134 mil reais. O look foi um dos muitos que ela usou durante a premiação MTV MIAW, na qual ela foi uma das apresentadoras ao lado de Manu Gavassi.

Haters

Além de fazer sucesso com o look, Bruna deu o que falar no último sábado, dia 26, ao responder alguns comentários de haters em seus posts do Instagram. A artista invadiu o canal de Giovanna Ewbank no YouTube e, no vídeo, deu um chega para lá nas pessoas que ficam falando coisas ruins sobre a sua vida.

MSN

Cristiana Oliveira avalia namoro de três anos com empresário: ‘Demorei a encontrar a pessoa certa’

Se a vida começa aos 40, como diz o ditado, a vida amorosa pode ficar bem mais interessante após os 50. Se alguém dissesse isso a Cristiana Oliveira há alguns anos, ela não acreditaria. Mulher de muitas paixões, algumas avassaladoras, a atriz nunca foi do tipo que escondia seus sentimentos publicamente ou não mergulhava de cabeça numa relação. A maturidade, no entanto, trouxe a ela calma, olhar generoso para si mesma e um novo e definitivo amor.

Aos 56 anos, há três ela namora Sergio Bianco. Embora se sinta casada, Cristiana mora em sua casa e o empresário na dele, e os dois têm o que ela chama de um cantinho juntos. “O grande amor da minha vida chegou para mim depois dos 50 anos. O Sergio é um homem muito especial, meu parceiro, meu amigo, meu amante. Um homem que eu admiro e que admirar minha história e tudo o que vivi. Não poderia ser mais feliz com alguém”, revela a atriz.

Mãe de duas filhas já adultas, um neto de 7 anos, Cristiana já sentiu muitos pesos na vida. O de achar que não era uma boa mãe, já que se ausentava demais para trabalhar, e outro por ser uma muher diferente das outras. “Pagamos um preço muito grande por sermos independentes. E eu sempre fui. Mesmo tendo casado algumas vezes, existia um buraco que não fechava. Ou eu deveria seguir padrões ou não seria amada e valorizada”, observa.

Ela conta que ali pelos 48 anos, ela teve uma espécie de insight. “Por ser independente, percebi que alguns homens com os quais eu tinha ficado não aceitavam essa minha condição. Até porque a mulher independente, que faz o que quer, que está com a autoestima equilibrada, ela assusta o homem. Quando ele se coloca na posição de macho alfa, é complicado o lado masculino olhar para essa mulher com admiração”, avalia.

Com Sergio, Cristiana ainda tem uma sociedade e os dois criam produtos de beleza. “Emperesto o nome e meu conhecimento, mas também vou à reunião, trabalho junto”, garante. Por enquanto, os dois não pensam em juntar definitivamente as escovas de dentes: “Conseguimos encontrar um equilíbrio. Eu adoro os filhos dele, ele ama minhas filhas e meu neto, me dou bem com a ex-mulher do Sergio, e fizemos nosso arranjo familiar. Demorei a encontrar a pessoa certa, mas desta vez acertei”.

Yahoo

‘Com escolas fechadas, maior perda é nas relações entre as crianças’, diz psicanalista

Foto ilustrativa

O comprometimento das relações chamadas horizontais, entre as de crianças, representa a perda mais relevante com o fechamento das escolas.

Essa é a avaliação da psicanalista Maria Cristina Kupfer, professora titular sênior da USP. “A criança ensina a outra, ajuda a enfrentar questões. É o que aprendo sobre mim quando olho para o amigo, vejo as diferenças”, diz ela, autoridade na relação entre psicanálise e educação.

“É tão educativo quanto o que acontece na aula e o que se aprende leva para vida: como se relacionar com o semelhante no espaço público”. Cristina, 68, avalia que essa perda têm efeito até maior do que o gap de aprendizagem, que, pontua ela, tem maiores complicações para a população mais pobre.

Educação, convivência e tolerância estão entremeadas em seu novo livro, “Arthur: um autista no século XIX, com posfácio sobre o autismo no século XXI” (Ed. Escuta). Trata-se de um uma visão psicanalítica sobre o autismo de forma romanceada.

Para continuar lendo é só clicar aqui: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2020/09/com-escolas-fechadas-maior-perda-e-nas-relacoes-entre-as-criancas-diz-psicanalista.shtml

FOLHAPRESS

Saúde é de longe o tema mais importante e direito das minorias e área social são os menos para os eleitores

Levantamento exclusivo do Paraná Pesquisa para o site Diário do Poder e esta coluna revela: a Saúde é o tema que eleitores mais gostariam que candidatos a prefeito debatessem na campanha. O tema é citado por 37,8% dos entrevistados. Em seguida está o tema Emprego (11,1%) e a Educação (8%) em terceiro. Segurança (6,3%) e Renda/Economia (5,6%) fecham o “Top 5” dos temas mais importantes para o eleitor. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

Em todos os recortes da pesquisa, a Saúde é o tema principal. Não importa idade, escolaridade, sexo, situação econômica ou região.

Direitos das minorias (1,2%) e área social (1,1%) são os temas menos relevantes, dizem os eleitores. Outros, como aborto, nem foram citados.

O Paraná Pesquisas ouviu 2.008 brasileiros em 232 municípios do país, entre os dias 21 e 24 de setembro.

DIÁRIO DO PODER

Deputado argentino renuncia após beijar seio da mulher durante sessão virtual

VÍDEO: Deputado argentino renuncia após beijar seio da mulher durante sessão virtual

O deputado argentino Juan Emilio Ameri renunciou ao cargo nesta sexta-feira (25), um dia após ser sido flagrado beijando os seios da própria mulher durante a sessão virtual do Congresso.

“Gostaria de pedir desculpas pela minha conduta. Não foi minha intenção desrespeitar a Câmara, meus pares deputados e deputadas e nem o povo que me elegeu”, escreveu ele na carta de renúncia.

Ameri foi flagrado com a sua esposa em seu colo enquanto os parlamentares estavam discutindo a renegociação da dívida das províncias e os pagamentos a aposentados. Ele tentou justificar a cena e afirmou que não sabia que a câmera estava ligada porque sua internet é ruim e estava perguntando como estava seus seios após uma cirurgia realizada recentemente.

“Disse a ela para ver como ficaram e depois dei um beijo em um dos seios. Foi só isso”, disse Ameri.

A cena, no entanto, rendeu a suspensão imediatado deputado. O presidente da Câmara, Sergio Massa, pretendia realizar votação pela expulsão de Ameri na semana que vem: “Não dá para aceitar esse comportamento”, revoltou-se.

Paraná Portal.

Mulher de Zé Neto, Natália Toscano lança linha de roupas e fala sobre polêmica da sunga

Influenciadora brinca que marido foi favorecido por ângulo e luz nas fotos

Natália Toscano com o marido, o cantor Zé Neto

Os dias de descanso na Costa do Sauípe (BA) tiveram uma repercussão imprevisível nesta semana para Natália Toscano. A influenciadora digital se viu no olho do furacão após o Instagram bloquear fotos nos perfis dela e do marido, o cantor Zé Neto (dupla de Cristiano), na praia.

Internautas repararam que o volume na sunga do sertanejo estava muito evidenciado. Após análise mais criteriosa, a rede social voltou a liberar as fotos. Mas aí as imagens já tinham virado meme.

“Foi totalmente insperado”, contou Natália. “Não passou pela minha cabeça que ia ter essa repercussão. Era uma foto normal, de um casal na praia. Achamos bonita e subimos no Instagram.”

F5

Mulher que foi oferecida ‘temporariamente’ para cunhado quer abandonar marido

O caso bizarro aconteceu no Zimbábue, e agora o chefe da aldeia em que a trama ocorreu deve decidir o futuro da dupla

Daniel Masikati e sua nova parceira, Tafadzwa Matura - Divulgação
Daniel Masikati e sua nova parceira, Tafadzwa Matura – Divulgação

Ao se deparar com problemas financeiros, um homem no Zimbábue encontrou uma solução nada comum: ofereceu sua esposa ao viúvo da irmã dela, em troca ele receberia dinheiro, comida e bebida.

Todavia, diante da situação, a mulher gostou tanto do cunhado que não quer mais voltar para o antigo marido. As informações são do Daily Star, que detalhou o caso a partir de uma matéria exibida na TV.

Kabanda ofereceu sua mulher, Tafadzwa Matura, ao ex-marido da irmã dela, Daniel Masikati. A mulher agora pretende deixar o antigo marido, afirmando que o novo é “muito melhor”. Após o episódio, Matura ainda afirma que Anthony não era bom no ato sexual: “não dura mais de um minuto na cama”.

O plano inicial do homem era que Daniel, que estava passando por um momento de luto, tivesse Tafadzwa como acompanhante noturna enquanto pudesse pagar pela comida da família e a escola das crianças do casal.

Inconformado com a situação, Kabanda foi até o chefe de sua aldeia discutindo a possibilidade de Daniel ter usado uma espécie de feitiço para encantar a sua esposa. O líder do grupo, que ainda não tomou sua decisão, deverá escolher o futuro dos casais nos próximos dias.

Aventuras nas histórias.

Famosa pelos pratos marrons, Duralex pede recuperação judicial

A francesa Duralex, conhecida por seus vidros temperados exportados para diversos países, entrou em recuperação judicial. No Brasil, a marca é lembrada pelos pratos, copos e vasilhas em tom escuro, quase marrom.

A decisão foi confirmada pelo tribunal de comércio da cidade de Orléans, na França, na quarta-feira (23). Antes, segundo o jornal “Le Monde”, houve um período de observação de seis meses.

A sede da empresa fica na cidade de La Chapelle-Saint-Mesmin, no estado francês de Loiret. Antoine Ioannidès, presidente da Duralex, disse que os 248 funcionários continuarão trabalhando e recebendo seus salários.

Em comunicado encaminhado aos funcionários, a empresa afirmou que as dívidas foram congeladas no dia da abertura do procedimento de recuperação judicial. “Depois que os representantes legais fizerem o levantamento de todos os créditos, a empresa terá como apresentar o plano de recuperação”, disse a Duralex, na nota.

A empresa vinha sofrendo com grandes problemas de caixa desde que precisou reduzir, por mais de um ano, sua produção devido a um problema em um forno em 2017.Ao jornal francês Le Monde, Antoine Ioannidès disse que essa situação foi agradava pela crise do coronavírus. “Nós perdemos cerca de 60% de nossos negócios com a interrupção das exportações, que representavam 80% de nossa atividade”, afirmou. Segundo ele, potenciais compradores apareceram.

No Brasil, a marca Duralex pertence à Nadir Figueiredo desde 2011, quando a fabricante brasileira comprou a Santa Marina e incorporou, além da própria Duralex, a Marinex. Em 2019, a Nadir foi comprada por uma gestora de fundos americana, a HIG Capital.

A recuperação judicial da fábrica francesa não terá efeitos no Brasil, informou à Folha a Nadir Figueiredo.

“A marca Duralex na América do Sul pertence à Nadir Figueiredo, empresa brasileira consolidada há mais de 108 anos no mercado”, disse, em nota. “Os produtos da marca Duralex como os pratos, xícaras e a linda linha de mesa Duralex Opaline continuarão trazendo beleza à mesa dos consumidores.”

FOLHAPRESS

Veja quem são as mulheres bilionárias brasileiras, Luiza Trajano lidera

Luiza Trajano viu o seu patrimônio se multiplicar no ano passado com a valorização das ações da varejista Magazine Luiza (MGLU3), que dobraram de preço na bolsa. Dona Luiza, como é conhecida, se tornou a maior bilionária brasileira com R$ 24 bilhões acumulados, de acordo com ranking da revista Forbes.

Mas ela não é a única. Outras 18 mulheres aparecem na lista dos 100 brasileiros mais endinheirados do país — ou seja, elas não representam nem 20% do total. A maior parte delas é herdeira de impérios, como WEG (WEGE3) e Itaú (ITUB3), diferentemente da Dona Luiza e da Dulce de Godoy Bueno que construíram seus patrimônios.

Entre as bilionárias, há também acionistas do Magazine Luiza, que tiveram uma alta estrondosa nos últimos anos. Para se ter ideia, a ação que encerrou o pregão desta quarta-feira (23) por R$ 86,48, na verdade deveria custar mais do que R$ 5.500, não fossem os desdobramento de ações feitos pela varejista no período. E é exatamente com essa alta que dona Luiza aumentou a sua fortuna. Atualmente, o Magalu vai R$ 140 bilhões.

Confira a lista das 10 mulheres mais ricas do país que, juntas, detêm uma fortuna de R$ 117 bilhões.

1. Luiza Helena Trajano

Patrimônio: R$ 24 bilhões

Origem do patrimônio: Varejo

2. Dulce Pugliese de Godoy Bueno

Patrimônio: R$ 16,34 bilhões

Origem do patrimônio: Saúde

Godoy Bueno fundou com seu ex-marido, Edson de Godoy Bueno, a rede de assistência de saúde Amil em 1972. Ela deixou o dia a dia da companhia, mas manteve uma participação acionária estimada de 33%. Após a compra da empresa pela UnitedHealth em 2012, a médica investiu na rede de laboratórios Dasa, da qual detém 48%.

3. Flávia Bittar Garcia Faleiros

Patrimônio: R$ 11,46 bilhões

Origem do patrimônio: Varejo

Herdeira do casal Wagner e Maria Trajano Garcia, que fundaram o Magazine Luiza, Garcia Faleiros tem uma participação na varejista por meio da holding Walter Garcia Participações.

4. Miriam Voigt Schwartz

Patrimônio: R$ 10,77 bilhões

Origem do patrimônio: Indústria de motores

5. Cladis Voigt Trejes

Patrimônio: R$ 10,66 bilhões

Origem do patrimônio: Indústria de motores

6. Valsi Voigt

Patrimônio: R$ 10,56 bilhões

Origem do patrimônio: Indústria de motores

As três têm participações acionárias na fabricante de motores WEG que foi cofundada por seu pai, Werner Voigt. As irmãs e seus herdeiros são donos de 33,33% da holding WPA que responde por 50,1% da WEG.

7. Maria Helena Moraes Scripilliti

Patrimônio: R$ 9,46 bilhões

Origem do patrimônio: Diversos

Herdeira do empresário José Ermírio de Moraes que fundou a Votorantim.

8. Ana Lúcia de Mattos Barretto Villela

Patrimônio: R$ 8,74 bilhões

Origem do patrimônio: Setor financeiro

É uma das maiores acionistas individuais do Itaú Unibanco. Ela preside o Instituto Alana, organização sem fins lucrativos voltada a projetos culturais.

9. Camilla de Godoy Bueno Grossi

Patrimônio: R$ 8,5 bilhões

Origem do patrimônio: Saúde

É uma das maiores acionistas da Dasa, após a morte do pai, Edson de Godoy Bueno. Ela também tem uma fatia acionária pequena na Amil.

10. Lily Watkins Cohen Monteverde Safra

Patrimônio: R$ 6,76 bilhões

Origem do patrimônio: Setor financeiro

Viúva de Edmond Safra, Lily administra o patrimônio deixado pelo banqueiro. Ela também herdou fortuna do marido anterior Alfredo Monteverde. Ajuda diversas instituições de caridade.

CNN

Atriz Luana Piovani compartilha FOTO sexy e diz: “Vontade de uma boa pegada no rabo”

Luana Piovani não cansa de gerar polêmicas nas redes sociais. Na tarde desta terça-feira (22), a atriz postou uma foto sexy de um casal aleatório e escreveu na legenda : “Vontade de uma boa pegada no rab*”.

Vale ressaltar que Luana está solteira. Ela terminou recentemente seu namoro com o jogador de basquete, Ofek Malka.

Hoje, Piovani entre os assuntos mais falados do Twitter após o ator José de Abreu alfinetá-la na web: “A Luana é a prova de que para atuar não é preciso inteligência. Apenas talento. Aliás tem MUITA gente burra talentosa”.

O motivo de Abreu ter falado isso foi pelo fato da loira, que positivou para a Covid-19, dizer na semana passada que tinha descoberto uma maneira de não usar máscara em Paris: ‘tomando sorvete’.

Isto É Gente

https://istoe.com.br/luana-piovani-compartilha-foto-sexy-e-diz-vontade-de-uma-boa-pegada-no-rab/

ALRN aprova prioridade de testes de Covid-19 para doadores de sangue

Os membros da Comissão de Administração, Serviços Públicos e Trabalho (CASPT) da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte se reuniram nesta quinta-feira (24), na sede da Casa Legislativa, para votar os Projetos de Lei sob responsabilidade deles. A reunião foi presidida pelo deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB), que apresentou a votação das matérias em pauta.

Quatro Projetos de Lei de iniciativa do deputado estadual Francisco do PT foram aprovadas pelos membros presentes na comissão. Sendo eles: o projeto sobre a inclusão de conteúdos de direito do consumidor na rede estadual de ensino (PL nº 48/2020); o que cria cartilha informativa sobre uso de água sanitária na prevenção e combate ao Coronavírus (PL nº 144/2020); o que determina prioridade na realização de testes de diagnóstico da Covid-19 para as pessoas doadoras de sangue durante a emergência de saúde pública decorrente do novo Coronavírus (PL nº 173/2020); e o projeto que cria cartilha informativa sobre Direitos Humanos (PL nº 164/2020).

Escola da assembleia e RH promovem pesquisa para criar calendário acadêmico 2021

Em outubro, os servidores do legislativo estadual vão participar da pesquisa de competência construída pela Coordenadoria de Gestão de Pessoas e Escola da Assembleia para identificar as lacunas de competência existentes nos servidores da Assembleia Legislativa do RN. O resultado desse processo irá subsidiar o processo de planejamento do Calendário Acadêmico 2021 da Escola da Assembleia. Essa integração tem como finalidade ofertar cursos, oficinas, graduações, pós-graduações lato sensu e outras atividades que estejam alinhadas às necessidades de capacitação e qualificação do corpo de colaboradores da ALRN.

Seguro-desemprego para demitidos na pandemia poderá ter mais duas parcelas

Foto: Davi Pinheiro/Divulgação

Representantes do governo, dos trabalhadores e das empresas decidem nesta quinta-feira, 24, se prorrogam os pagamentos de seguro-desemprego a quem for demitido durante a calamidade provocada pela pandemia da covid-19. Se aprovada, a medida pode beneficiar 6 milhões de trabalhadores.

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Estadão/Broadcast. A proposta das centrais sindicais é pagar duas parcelas adicionais, o que levaria a uma despesa extra de R$ 16,7 bilhões.

A medida será votada no Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat), responsável por operar políticas como abono salarial e seguro-desemprego. O colegiado tem 18 integrantes indicados por trabalhadores, empresas e governo. Cada categoria tem seis assentos no conselho.

A bancada dos empregadores deve ser o fiel da balança na votação, já que tanto governo quanto trabalhadores devem votar em bloco e em direções opostas. Na última reunião do Codefat, representantes dos setores de agricultura e turismo sinalizaram apoio à prorrogação do seguro-desemprego, enquanto a indústria foi contra, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Com o placar indefinido, tanto o governo quanto as centrais deflagraram uma ofensiva para tentar angariar votos das confederações empresariais.

As centrais precisam conseguir ao menos três aliados dentro do conselho, já que, em caso de empate, o voto de minerva é do presidente do Codefat. A presidência hoje é exercida por Francisco Pegado, indicado da União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Em defesa da medida, as centrais justificam que a crise no mercado de trabalho já dura seis meses desde a decretação de calamidade, enquanto o número médio de parcelas do seguro desemprego está em quatro (o máximo é cinco, a depender da duração do contrato rescindido). Quem foi dispensado no início da crise pode já estar sem o benefício e, ao mesmo tempo, sem poder solicitar o auxílio emergencial criado para socorrer os mais vulneráveis, uma vez que o cadastro foi finalizado no início de julho.

“Há um desespero, uma preocupação e uma comoção grande por parte dos desempregados”, diz Sérgio Leite, representante da Força Sindical no Codefat. Entre março e agosto de 2020, 3,9 milhões de trabalhadores que tinham carteira assinada solicitaram o seguro-desemprego, 12,4% a mais do que em igual período do ano passado.

O representante da Confederação Nacional do Turismo (CNTur), Virgílio Carvalho, disse que o tema será analisado “com muito cuidado e carinho” para não comprometer a sustentabilidade do fundo nem deixar os trabalhadores desamparados.

Autorização

A lei do seguro-desemprego autoriza o Codefat a pagar duas parcelas adicionais de seguro desemprego para grupos específicos de segurados, desde que o gasto adicional da medida não ultrapasse, em cada semestre, 10% da reserva mínima de liquidez que o fundo mantém para honrar suas obrigações. Essa reserva é calculada ao redor de R$ 13 bilhões – ou seja, a despesa extra não poderia passar de R$ 1,3 bilhão.

Um parecer da própria Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), no entanto, avalia que o orçamento de guerra, aprovado pelo Congresso Nacional para abrir caminho às despesas de combate à pandemia, afasta a restrição dos 10%. Além disso, o órgão jurídico do Ministério da Economia também vê elementos suficientes para justificar a abertura de um crédito extraordinário e permitir que a despesa fique fora do teto de gastos, mecanismo que limita o avanço das despesas à inflação, já que as parcelas extras ficariam restritas a 2020.

Na prática, a prorrogação do seguro-desemprego depende apenas da aprovação do Codefat e da edição de uma Medida Provisória (MP) para abrir o crédito.

Embora não haja qualquer impedimento jurídico, a área econômica do governo manifestou resistências à aprovação da medida. Sem receitas suficientes, o governo tem emitido mais títulos da dívida pública para financiar seus gastos, e parcelas extras do seguro-desemprego pressionariam ainda mais nessa direção.

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia alertou “para o agravamento do resultado fiscal já previsto e consequente aumento do endividamento público, comprometendo as contas públicas não somente no atual exercício, mas no médio prazo”, segundo documento ao qual o Estadão/Broadcast teve acesso.

A SPE justificou ainda que políticas governamentais que desmotivem ou atrasem a “realocação dos fatores produtivos” (neste caso, a procura de emprego pelo trabalhador) pode atrasar o processo de retomada da economia.

O Tesouro Nacional também ponderou que a aprovação da medida “contribuiria para o agravamento do resultado fiscal e o consequente aumento do endividamento público, o qual já se encontra em níveis bastante elevados”. O órgão prevê que a dívida encerre o ano em 93,5% do PIB.

Estadão

Empresa brasileira cria spray com capacidade de matar o coronavírus e pode ser usado em roupas e na pele

Foto: Reprodução/Getty Images

Em tempos de coronavírus, a preocupação com a higienização das mãos, superfícies, roupas e corpo foi intensificada. O problema é que além de dar trabalho, lavar as roupas frequentemente pode ter dois efeitos colaterais: desperdício de água e possibilidade de estragar o tecido mais rápido. Na busca de uma solução sustentável para este problema, a startup brasileira Visto.Bio desenvolveu um spray om capacidade de eliminar o SARS-CoV-2 de superfícies, incluindo tecidos, cabelos e até mesmo o corpo.

A fórmula, composta por óleos essenciais, uma erva nativa brasileira e álcool 70, decompõe a camada lipídica que protege o vírus, causando sua inativação. Imediatamente após a aplicação, a eliminação do vírus é de 99%. Após 1 minuto, chega a 99,99%.

Matéria completa da Veja aqui.